A Clínica Potencial é o resultado de 30 anos de experiência na área, tendo contado sempre com a colaboração de profissionais de altíssimo nível.



A Clínica

FAQ

1) Por que distúrbios de fala, linguagem e audição podem afetar o aprendizado?

  • As habilidades comunicativas são essenciais para as experiências de vida de uma criança. A linguagem dá melhores condições para o desenvolvimento cognitivo e o aprendizado como um todo.
  • A compreensão da linguagem oral, a expressão oral, a leitura e a escrita requerem processos distintos, porém relacionados. É o código usado para se absorver e comunicar e idéias.

2) Uma criança pode se comunicar sem saber falar?

  • Comunicação é uma interação entre interlocutores feita através da fala, linguagem e corpo. Linguagem é um dos processos envolvidos na comunicação com regras gramaticais e de uso. Fala é a palavra articulada. Uma criança pode ter um problema de fala e não ter alterações de linguagem e comunicação. Outras podem não ter uma competência comunicativa desenvolvida e ter mais preservados os processos da fala, tais como crianças com distúrbios emocionais, as quais usam adequadamente o som, mas não usam a linguagem de acordo com a situação. Ou podem ter alterações de linguagem com a fala preservada. Neste caso, podem apresentar dificuldades de compreensão e elaboração sem alterações nos sons da fala.

3) Quando uma criança deve começar a falar?

  • Uma criança aos 12 meses usa mais a comunicação através de choro, gestos, olhar, gritos, sorriso do que a linguagem, mas já inicia a procura da comunicação através da fala e linguagem.
  • Por volta dos 2 anos já deve ser capaz de usar a comunicação para interferir no meio em que vive. Deve ter habilidades comunicativas tais como o uso de algumas palavras para pedir, mandar, nomear, negar, etc. Além disso, já deve compreender situações que envolvam linguagem e atender as solicitações daqueles que com ela interagem.

4) Meu filho me entende, mas não fala. O que devo fazer?

  • Não é esperado que uma criança depois dos 2 anos tenha uma defasagem grande entre a compreensão da linguagem e expressão oral. Por exemplo: entende tudo o que lhe é solicitado, mas não consegue se expressar através de palavras, ainda que use gestos para se fazer compreender. Neste caso é importante que um fonoaudiólogo avalie a criança para conhecer as causas dessa defasagem, poder orientar a família e, se necessário, interferir de forma terapêutica.

5) Meu filho fala errado. Será que ele vai superar isso sozinho? Até quando esperar para pedir ajuda?

  • Às vezes por volta dos quatro anos a criança ainda troca alguns sons da fala, mas é importante avaliar se isto ocorre por uma questão de desenvolvimento ou se há algum desvio nesse processo. Um fator importante desde o início do desenvolvimento é observar a inteligibilidade da fala, por exemplo: a criança só é compreendida pela mãe, ou tem uma linguagem peculiar que persiste por algum tempo.
  • A aquisição dos sons da fala segue um padrão de desenvolvimento: os sons mais simples são adquiridos mais cedo e os mais complexos tais com o/l/e o /r/ , são os últimos a serem integrados.

6) O que leva os pais a procurar atendimento fonoaudiológico:

Crianças pequenas: até 6 anos (pré-escola)

    • criança que demora a começar a falar
    • não se comunica
    • não faz questão de estabelecer nenhum contato com o outro
    • só usa gestos para se comunicar
    • só usa uma fala incompreensível
    • troca sons da fala
    • baba muito
    • parece não entender a linguagem do outro
    • parece não ouvir sons do ambiente
    • parece não ouvir sons da fala
    • gagueja
    • fala “enrolado”
    • fica rouca constantemente
    • fala com a língua entre os dentes
    • fica sempre de boca aberta
    • dorme de boca aberta
    • baba no travesseiro
    • cospe ao falar
    • criança que não lida bem com as duas línguas que escuta em casa ou na escola

    Crianças entre 6 e 12 anos

    • não compreendem mensagens mais elaboradas ou implícitas
    • são muito prolixas
    • esquecem palavras
    • gaguejam
    • falam pouco e buscam forma de comunicação alternativa
    • crianças que não conseguem ser alfabetizadas
    • trocam letras na escrita
    • passam os problemas da fala para a escrita
    • não conseguem ler direito
    • não compreendem o que lêem

7) Meu filho precisa que eu repita algumas vezes a mesma ordem e quando fala, não se expressa bem. Isso significa que ele tem algum problema?

  • Se o seu filho precisa da repetição constante de ordens, não entende situações, não consegue contar fatos e nem repetir histórias, se alonga muito para explicar uma situação- ele pode estar, entre outras possibilidades, com dificuldades de se monitorar auditivamente. É preciso procurar uma avaliação do processamento auditivo associada a uma avaliação de linguagem.
  • Igualmente se uma criança é muito dispersiva, se tem (ou teve) constantes problemas de ouvido, nariz e garganta, se é muito irritadiça, se parece estar sempre em seu “próprio mundo”, se às vezes parece não ouvir, se precisa ouvir TV muito alto, se tem dificuldades com músicas e ritmos e troca alguns sons da fala é necessário que seja avaliada.

 


 

Ainda precisa de ajuda?

 

©2014 Clínica Potencial - Todos os direitos reservados

Rua Prof. João Mendes França, 45 / Morumbi

CEP: 05690-030 - São Paulo/SP

Telefones: (11) 3758-2422 / (11) 3758-0238 / (11) 3758-0164

Email: contato@clinicapotencial.com.br

Desenvolvido por 8Soft